JHON JHON FORA POR LESÃO ITALO E FELIPE BRIGAM PARA AVANÇAR

JHON JHON FORA POR LESÃO ITALO E FELIPE BRIGAM PARA AVANÇAR

O swell chegou grande no sábado em Main Break e The Box, mas o mar ficou “stormy” com ventos desfavoráveis para a boa formação das ondas. As condições devem ficar assim também no domingo e a próxima chamada para as quartas de final do Boost Mobile Margaret River Pro apresentado pela Corona já foi marcada para as 7h15 da segunda-feira na Austrália, 20h15 do domingo no Brasil. Esta quarta etapa do World Surf League Championship Tour tem prazo até quarta-feira para ser encerrada em West Australia.

A seleção brasileira está na briga pelos dois títulos. O campeão mundial Italo Ferreira faz um duelo brasileiro com Filipe Toledo na última quarta de final e Tatiana Weston-Webb disputa a primeira vaga na grande final com a surfista local de Margaret River, Bronte Macaulay. A gaúcha já assumiu o segundo lugar no ranking com a classificação para as semifinais e foi vice-campeã na última etapa do CT nesta praia em 2019. Tatiana possui uma grande vantagem contra a australiana, ganhando 10 das 14 baterias que elas disputaram.

Já a disputa entre Italo Ferreira e Filipe Toledo, também em etapas do CT, é mais equilibrada. O placar está em 5 a 4 para o atual campeão mundial, que venceu as quatro últimas baterias que eles se enfrentaram. A última foi nas semifinais do evento que abriu a “perna australiana” do World Surf League Championship TourItalo passou por Filipe e depois ganhou o título do Rip Curl Newcastle Cup, na final igualmente brasileira contra Gabriel Medina.

Italo Ferreira em Margaret River (Crédito: Cait Miers / World Surf League via Getty Images)
LYCRA AMARELA – Essa decisão valia a liderança do ranking e Italo competiu com a lycra amarela em Sidney. Mas, parou nas oitavas de final e perdeu a primeira posição para Medina, que foi o campeão do Rip Curl Narrabeen Classic em sua quarta final seguida, igualando um recorde de Kelly Slater em 2010. Gabriel voltou a vestir a lycra amarela em Margaret River e também ficou nas oitavas de final. Com isso, Italo tem chance de recuperar a ponta do ranking, mas somente com a vitória no Boost Mobile Margaret River Pro.

O único surfista que ameaçava a hegemonia brasileira no topo do ranking era o havaiano John John Florence. No entanto, o bicampeão mundial e vencedor desta etapa de Margaret River em 2017 e 2019, contundiu o joelho na bateria contra o paranaense Peterson Crisanto pelas oitavas de final e vai abandonar a competição. Ele já anunciou que não enfrenta o norte-americano Griffin Colapinto e também está fora da etapa que fecha a “perna australiana”, o Rip Curl Rottnest Search apresentado pela Corona na ilha Rottnest.

John John Florence (Crédito: Matt Dunbar / World Surf League via Getty Images)
“Infelizmente, machuquei o joelho esquerdo na seção final de uma onda durante minha bateria das oitavas de final dois dias atrás. Eu consegui surfar o restante da bateria, mas já sentindo que algo estava errado”, contou John John Florence“Não é o mesmo joelho que eu contundi no ano passado, então isso é bom. Com as Olimpíadas chegando, vou me concentrar para curar essa contusão e fortalecer o joelho. Obrigado a todos pelo apoio e à Austrália por nos receber tão bem. Nos divertimos muito e agradeço a todos vocês”.

RIP CURL WSL FINALS – O havaiano pode perder o terceiro lugar no ranking, mas não sai do grupo dos top-5 que vai disputar o título mundial nesta etapa. Três surfistas têm chances matemáticas de ultrapassa-lo, mas somente com a vitória no Boost Mobile Margaret River Pro, o sul-africano Jordy Smith em quarto lugar, ou Filipe Toledo e o adversário de John John nas quartas de final, Griffin Colapinto, que estão empatados na sexta posição.

Filipe Toledo (Crédito: Cait Miers / World Surf League via Getty Images)
Como está automaticamente classificado para as semifinais, o norte-americano já tirou o japonês Kanoa Igarashi da lista provisória dos top-5 que vão participar da decisão do título mundial no Rip Curl WSL Finals, em setembro nas ondas de Trestles, na Califórnia, Estados Unidos. Filipe Toledo também consegue isso se passar por Italo Ferreira e ficará com a vaga quem conseguir o melhor resultado, entre ele e Griffin Colapinto.

Na categoria feminina, a brasileira Tatiana Weston-Webb vai se firmando no grupo das top-5 para o Rip Curl WSL Finals. Com a passagem para as semifinais, pegou da californiana Caroline Marks, o segundo lugar no ranking liderado pela havaiana Carissa Moore. A única que pode lhe tirar a vice-liderança nesta etapa é Stephanie Gilmore, mas só se vencer o Boost Mobile Margaret River Pro. A heptacampeã mundial já tomou o quarto lugar da também australiana Tyler Wright e vai enfrentar a tetracampeã e defensora do título esse ano, Carissa Moore, nas semifinais.

Tatiana Weston-Webb (Crédito: Cait Miers / World Surf League via Getty Images)
Boost Mobile Margaret River Pro apresentado pela Corona está sendo transmitido ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo Youtube e APP da World Surf League e pelos canais da ESPN Brasil. O evento ficou parado na sexta-feira, sábado, domingo e a próxima chamada para as quartas de final será as 7h15 da segunda-feira em Margaret River, 20h15 do domingo no Brasil.

PERNA AUSTRALIANA – As quatro etapas da nova “perna australiana” são apresentadas pela Corona. O Rip Curl Newcastle Cup terminou com Italo Ferreira ganhando a decisão brasileira com Gabriel Medina. No Rip Curl Narrabeen ClassicGabriel Medina deu um show na final com Conner Coffin e Tatiana Weston-Webb foi vice-campeã contra Caroline Marks. As outras são na região de West Australia, o Boost Mobile Margaret River Pro em Margaret River e o Rip Curl Rottnest Search de 16 a 26 de maio em Rottnest Island.

PRÓXIMAS BATERIAS DO BOOST MOBILE MARGARET RIVER PRO:

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com 4.745 pontos:
1.a: John John Florence (EUA) x Griffin Colapinto (EUA)
2.a: Jordy Smith (AFR) x Ryan Callinan (AUS)
3.a: Seth Moniz (EUA) x Matthew McGillivray (AFR)
4.a: Italo Ferreira (BRA) x Filipe Toledo (BRA)

SEMIFINAIS FEMININAS – 3.o lugar com 6.085 pontos:
1.a: Tatiana Weston-Webb (BRA) x Bronte Macaulay (AUS)
2.a: Carissa Moore (EUA) x Stephanie Gilmore (AUS)

RESULTADOS DA QUINTA-FEIRA EM MARGARET RIVER

OITAVAS DE FINAL – 9.o lugar com 3.320 pontos:
1.a: John John Florence (EUA) 13.50 x 8.97 Peterson Crisanto (BRA)
2.a: Griffin Colapinto (EUA) 14.66 x 8.33 Jeremy Flores (FRA)
3.a: Jordy Smith (AFR) 10.10 x 9.23 Julian Wilson (AUS)
4.a: Ryan Callinan (AUS) 14.86 x 10.36 Frederico Morais (PRT)
5.a: Seth Moniz (EUA) 9.84 x 9.53 Gabriel Medina (BRA)
6.a: Matthew McGillivray (AFR) 12.77 x 11.08 Kanoa Igarashi (JPN)
7.a: Italo Ferreira (BRA) 16.57 x 10.83 Caio Ibelli (BRA)
8.a: Filipe Toledo (BRA) 11.83 x 9.47 Jadson André (BRA)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com 4.745 pontos:
1.a: Bronte Macaulay (AUS) 11,83 (6,83) x 11,83 (6,50) Johanne Defay (FRA)
2.a: Tatiana Weston-Webb (BRA) 16.23 x 14.17 Tyler Wright (AUS)
3.a: Carissa Moore (EUA) 14.57 x 10.33 Isabella Nichols (AUS)
4.a: Stephanie Gilmore (AUS) 15.73 x 14.17 Sally Fitzgibbons (AUS)

João Carvalho
WSL Latin America Media Manager
jcarvalho@worldsurfleague.com
+55 (48) 999-882-986
Felipe Marcondes
WSL Latin America Senior Manager, Content & Marketing
fmarcondes@worldsurfleague.com
SOBRE A WORLD SURF LEAGUE: Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System.

A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.

For press inquiries, please contact: press@worldsurfleague.com
Sign up for the WSL Mailing List: wsl.tv/mailinglist

The right to use any image(s) and/or audiovisual content attached to or accessed by link within this email (the “Footage”) is provided strictly on the terms and conditions described under the “Footage License Terms and Conditions” below.

FOOTAGE LICENSE TERMS AND CONDITIONS
Licensed Rights. The Association of Surfing Professionals LLC d/b/a World Surf League (“WSL”) hereby grants to you (the email recipient) a non-exclusive, non-transferable, non-sublicensable, revocable, and limited right to use up to three (3) minutes of the Footage for reporting and coverage of current events in any and all television and online media on a royalty-free, worldwide basis. The Footage may not be used alone and must be accompanied by meaningful reporting and coverage of the event.  This Footage License shall expire ten (10) days from the date of this email being sent.  Footage used in accordance with these Terms does not need to be removed from media, unless specifically requested by WSL. Where the Footage is used in any way online, a link to www.worldsurfleague.com must exist where the Footage is visible and the accompanying reporting and coverage must reference “WSL” or “World Surf League”.

Excluded Rights. No rights for commercial use or modification of the Footage (except to shorten the Footage, provided that such shortening is only to the extent and in such form necessary for news coverage and does not materially alter the substance and/or context of the Footage) are granted in any way, including without limitation, any association made with a commercial brand or message. Should you decide the content is needed for commercial purposes, please contact WSL’s licensing department at licensing@worldsurfleague.com for permission. ALL RIGHTS NOT SPECIFICALLY PROVIDED IN SECTION 1 ABOVE ARE RESERVED BY WSL.

Disclaimer. The Footage is provided and must be used on an “as is” basis and no warranty is provided for its use by you.  No rights with respect to individuals, music, or brands contained within the Footage are granted hereby (except as they may appear in the Footage only).

Choice of Law. This Footage License shall be governed by the laws of the State of California without reference to any choice of law principles.

WSL’s Intellectual Property Rights. WSL owns all rights in and to the Footage, including without limitation, all copyrights therein and all trademark rights to WSL, World Surf League and the accompanying logo(s).

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *