julho 30, 2021

Monitores de Ondas

O seu portal do mundo das ondas

Moradores de Teahupo’o tem preocupações ambientais sobre as Olimpíadas de 2024

Ítalo Ferreira é um dos candidatos ao ouro olímpico. Kelly Cestari/WSL via Getty Image

 

Texto e Material: Romuald Pliquet/www.theinertia.com

Quando foi anunciado no ano passado que Teahupo’o seria o palco oficial do surfe olímpico quando Paris sediar os Jogos de Verão de 2024, quem conhece o esporte entendeu a lógica da decisão. Sediar uma competição em uma onda de classe mundial representa o surf em seus níveis mais altos, e isso foi notado quando o anúncio foi feito em dezembro.

“Para nós, o Taiti representa a autenticidade do nosso esporte e a missão do ISA de celebrar a cultura e o estilo de vida únicos do surfe, ao mesmo tempo em que relembra a longa história e herança do nosso esporte desde suas origens polinésias”, disse o presidente da Associação Internacional de Surf, Fernando Aguerre. “Em última análise, nosso compromisso é com os atletas e o esporte e não temos dúvidas de que Teahupo’o oferecerá uma plataforma incrível para os melhores atletas do mundo brilharem.”

E embora as pessoas da vila de Teahupo’o estejam maravilhadas e apoiem a hospedagem do surfe olímpico, elas também estão preocupadas com o impacto que isso terá em suas casas. Moradores de Teahupo’o formaram o grupo MATA ARA IA TEAHUPOO 2024, alegando falta de transparência das autoridades públicas e não sendo consultadas por elas sobre a infraestrutura necessária para hospedar os jogos. Os desenvolvimentos necessários, dizem eles, impactarão sua casa muito depois de o surf olímpico deixar o Taiti.

“Ecologia, meio ambiente e os princípios do desenvolvimento sustentável estarão no centro do projeto Teahupo’o”, disse o presidente da Polinésia Francesa, Edouard Fritch em março. “Os Jogos Olímpicos de 2024 serão uma grande oportunidade para fortalecer a promoção do desenvolvimento sustentável. As instalações serão úteis após os jogos”, declarou ele, chamando a onda mundialmente famosa de um presente da natureza”.

“Os polinésios têm o dever de preservar esse dom. Esta preservação envolve o respeito ao ecossistema do local, em particular através da preservação do coral de recife, lagoa (e) rio da biodiversidade terrestre e marinha. Em resumo, para serem sustentáveis, as competições e a organização das Olimpíadas de 2024 vão se adaptar ao local de Teahupo’o e não o contrário. A naturalidade do local Teahupo’o será preservada tanto quanto possível.”

Muitos dos moradores, no entanto, acreditam que a única parte verdadeira dessa afirmação é o reconhecimento da ambição do governo de transformar a onda em um produto econômico – algo que já está acontecendo há duas décadas sem a intervenção do poder público. A comunidade local já se adaptou bem para sediar competições de elite, com a presença da WSL e um evento anual do CT já em andamento.

“Não queremos que nosso pequeno pedaço do paraíso seja devastado. Queremos continuar a viver em harmonia com a Mãe Natureza”, diz Tahurai Henry, natural de Teahupo’o e um de seus surfistas regulares de longa data. “Uma parte de mim ficou orgulhosa quando soube que Teahupo’o foi selecionado para os Jogos Olímpicos, mas rapidamente fiquei chateado com o futuro [infraestrutura] que esse evento exige.”

 

“Não queremos que nosso pequeno pedaço do paraíso seja devastado. Queremos continuar a viver em harmonia com a Mãe Natureza ”, diz Tahurai Henry Foto: Romuald Pliquet

Como representante da Mata Ara ia Teahupo’o 2024, Henry diz que o objetivo do grupo é ser incluído nas decisões sobre a infraestrutura que será implementada. Os desenvolvimentos para apoiar os 10 dias de competição poderiam incluir estradas de duas pistas, uma ponte para carros, uma praia suspensa para acomodar o público, o desenvolvimento de estacionamentos, pontões flutuantes, arquibancadas flutuantes, andaimes para apoiar 200 funcionários, a escavação de um canal de acesso ao andaime, vila olímpica de 24 unidades habitacionais, pavilhão poliesportivo, heliponto e área de atracação.

“Temos um playground maravilhoso para nossos filhos e não queremos que tudo isso seja tocado. Nossos rios estão limpos e temos medo de uma possível mudança por causa dessas Olimpíadas”, diz Henry. “Somos nós que vivemos com isso antes e depois de apenas alguns dias de competição.”

A grande maioria das pessoas que vivem perto de Teahupo’o expressou desacordo com empreendimentos que urbanizariam sua casa, arriscando a tranquilidade que prevalece em sua pequena vila para o que poderia se tornar um frenesi turístico permanente. De acordo com Mata Ara ia Teahupo’o 2024, a comunidade quer preservar o meio ambiente – aquele que dá a Teahupo’o seu charme. Composto em sua maioria por famílias extensas, as pessoas que lá vivem se conhecem. Eles compartilham respeito mútuo e ajudam uns aos outros, e os turistas e surfistas internacionais que visitam Teahupo’o são tratados com a mesma experiência, tudo alimentado por uma conexão entre o homem e a terra. Por décadas, o povo de Teahupo’o tem recebido visitantes com o mesmo espírito, e agora eles simplesmente querem fazer isso enquanto preservam sua casa. Portanto, a aldeia de Teahupo’o quer que sua voz seja ouvida.

Como Tahurai Henry aponta, “Se acharmos que existem alguns problemas, queremos dar algumas soluções. Queremos trabalhar juntos porque pensamos que as pessoas que merecem participar neste evento são, antes de tudo, as pessoas de Teahupo’o ‘”.